Quanto tempo depois da vasectomia posso ter relação sexual?

Descubra o que esperar após a vasectomia, desde a recuperação até as possíveis complicações. Informe-se e compartilhe sua experiência!

Anderson di Aguiar
Anderson di Aguiar
21 minutos de leitura

Olá leitores geniais! Hoje quero compartilhar com vocês uma decisão importante que tomei: a vasectomia. No dia 15 de março de 2024, estarei no hospital da minha cidade para realizar esse procedimento. Completando 49 anos de idade neste ano, sou pai de três maravilhosas meninas e, atualmente, estou solteiro. Após ponderar sobre o assunto durante alguns meses, decidi que este é o momento ideal para mim, já que não desejo ter mais filhos. Minha filha mais velha está com 17 anos, enquanto as mais novas têm 6 e 3 anos, respectivamente. É hora de dedicar meu tempo e energia exclusivamente a elas.

Quanto ao amor, estou bem tranquilo. Não é algo que esteja buscando com urgência neste momento. Assim, terei um período adequado para me recuperar da microcirurgia sem me preocupar com quanto tempo depois da vasectomia poderei retomar as relações sexuais. Essa é uma dúvida comum entre muitos homens que consideram esse procedimento para interromper sua fertilidade.

Diante disso, decidi pesquisar mais sobre o tema, pois eu mesmo tinha diversas dúvidas. Agora, é minha vez de compartilhar informações importantes sobre a vasectomia, desde os preparativos pré-operatórios até os cuidados no pós-operatório.

Do que se trata a vasectomia

A vasectomia é um procedimento cirúrgico utilizado como método contraceptivo permanente em homens que desejam interromper sua capacidade de gerar filhos. Essa intervenção consiste na ligação ou obstrução dos ductos deferentes, os tubos que transportam os espermatozoides dos testículos até a uretra durante a ejaculação. Essa interrupção impede a liberação de espermatozoides no esperma, tornando o homem estéril.

É importante ressaltar que a vasectomia não afeta a produção de hormônios masculinos nem interfere na libido ou na capacidade de ereção. Trata-se apenas de uma forma de impedir a gravidez, sem alterar as funções sexuais masculinas. Geralmente, é um procedimento realizado em consultório médico ou em ambiente hospitalar, sob anestesia local ou geral, e costuma durar cerca de 30 minutos.

Apesar da medicina considerar uma forma eficaz de contracepção, a vasectomia é irreversível na maioria dos casos, requerendo cuidado e consideração cuidadosa por parte do indivíduo antes de tomar a decisão.

Qual a margem de erro?

A margem de erro da vasectomia é extremamente baixa, com uma taxa de sucesso de mais de 99%. Em termos de números, para cada 2 mil homens submetidos ao procedimento, apenas cerca de 2 a 20 podem experimentar uma falha. Isso representa uma porcentagem de 0,1% a 1% de chance de a vasectomia não ser completamente eficaz.

Crescimento do número de vasectomias no Brasil

Em Março de 2023, entrou em vigor a Lei no 14.443/2022, que facilita tanto a laqueadura quanto a vasectomia no Brasil. Esta lei reduziu a idade mínima para esterilização voluntária de mulheres e homens de 25 para 21 anos, além de eliminar a exigência do consentimento do cônjuge para a realização desses procedimentos. Com essa nova legislação, agora se permite a laqueadura durante a internação para o parto, e se for uma cesariana, é possível realizá-la imediatamente.

Um estudo publicado em 2020 revelou um significativo crescimento na realização de vasectomias pelo SUS (Sistema Único de Saúde) entre os anos de 2009 e 2018. Pode se atribuir esse aumento a uma maior aceitação e procura pela vasectomia em todo o Brasil. Entre as principais razões para essa tendência estão a maior segurança do procedimento, uma menor taxa de complicações em comparação com a laqueadura, e o custo mais baixo da vasectomia. Esse cenário reflete uma mudança de percepção e comportamento em relação à contracepção masculina no país.

Posso fazer a vasectomia pelo SUS?

Sim, é possível realizar a vasectomia pelo SUS, como eu mesmo estou fazendo aqui em Mombaça, no interior do Ceará.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente a cirurgia de vasectomia, e todos os estados brasileiros possuem estabelecimentos para realizá-la. Como pré-requisito, o homem deve ter mais de 21 anos de idade ou no mínimo dois filhos. Vale ressaltar que o SUS não oferece a cirurgia de reversão em caso de arrependimento.

Para iniciar o processo, o interessado em fazer a vasectomia deve procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e expressar sua vontade de utilizar um método definitivo de planejamento familiar.

A UBS vai agendar uma consulta de enfermagem para apresentar as opções de métodos contraceptivos disponíveis, permitindo uma escolha consciente por parte do usuário, e estendida ao casal, se necessário. As opções incluem o dispositivo intrauterino (DIU), anticoncepção oral, injetável, laqueadura tubária (LT) e preservativos masculinos e femininos.

Após essa etapa, o UBS encaminhará o paciente para um especialista, que indicará os exames pré-operatórios necessários e fornecerá orientações detalhadas sobre o procedimento, assim como eu fiz. Como a vasectomia é um procedimento de esterilização, o SUS submete os pacientes a um questionário detalhado e devem aguardar um período de 60 dias para reflexão sobre sua decisão. Somente após esse período, se o homem mantiver sua decisão, ele poderá agendar a cirurgia.

Após a confirmação da decisão e o preenchimento dos critérios estabelecidos pela legislação sobre planejamento familiar (Lei nº 9.263/1996), o especialista vai encaminhar o usuário para consulta na Unidade Básica de Saúde. Com o parecer médico favorável à realização do procedimento, o usuário poderá agendar a cirurgia no serviço especializado.

O que acontece antes da cirurgia? (Pré-operatório)

Antes da realização da vasectomia, o paciente passa por uma série de procedimentos no pré-operatório para garantir que o procedimento ocorra com segurança e eficácia.

Inicialmente, o paciente recebe atendimento pelo profissional ou equipe médica responsável pela vasectomia, que geralmente inclui um urologista ou andrologista. Durante essa consulta inicial, o médico realiza uma anamnese detalhada, ou seja, uma investigação da história clínica do paciente. Esse processo permite que o paciente esclareça dúvidas sobre o procedimento, como o tipo de anestesia que o cirurgião vai aplicar (local ou geral), e também pode incluir a solicitação de um espermograma. O espermograma é importante pois pode indicar se o homem é estéril, eliminando a necessidade da cirurgia.

Além disso, durante o exame físico, o profissional pode identificar diversos fatores de risco que devem ser devidamente controlados para evitar complicações durante a cirurgia. Entre os fatores de risco mais comuns estão doenças cardiovasculares e respiratórias, distúrbios de coagulação, diabetes e o uso de medicamentos que podem interferir na cirurgia, como anticoagulantes. Também durante o exame físico, pode se identificar possíveis anomalias ou variações anatômicas nos testículos, epidídimos e cordão espermático (onde estão os ductos deferentes), que podem impactar o procedimento cirúrgico.

Além disso, alguns exames pré-operatórios são essenciais, como testes de coagulação sanguínea e controle do nível de glicemia. Antes da vasectomia, também recomenda-se realizar a tricotomia de todo o escroto, ou seja, raspar os pelos, e garantir uma assepsia adequada da região. Essas medidas visam garantir a máxima segurança e eficácia durante o procedimento cirúrgico.

Quanto tempo dura a cirurgia? Demora muito?

A vasectomia é um procedimento cirúrgico relativamente rápido e simples, que geralmente não leva muito tempo para ser concluído. Em média, a duração da cirurgia varia de 20 a 30 minutos. No entanto, o tempo exato pode variar dependendo de vários fatores, como a experiência do cirurgião, as técnicas utilizadas e as características anatômicas do paciente.

Embora possa parecer um procedimento rápido, é importante ressaltar que a vasectomia requer cuidado e precisão por parte do cirurgião para garantir resultados satisfatórios e minimizar o risco de complicações. Portanto, mesmo que a duração da cirurgia seja relativamente curta, o processo como um todo envolve uma série de etapas cuidadosamente planejadas e executadas para garantir o sucesso do procedimento.

Apesar de não ser uma cirurgia prolongada, é natural que o paciente sinta uma certa ansiedade ou preocupação em relação à duração do procedimento. No entanto, é importante lembrar que a equipe médica estará presente para fornecer todo o suporte necessário antes, durante e após a cirurgia, garantindo o conforto e a segurança do paciente durante todo o processo.

E o pós-operatório, como funciona? Tem que repousar quantos dias?

Após a vasectomia, é fundamental seguir algumas orientações no pós-operatório para garantir uma recuperação adequada e minimizar o risco de complicações. Geralmente, recomenda-se um período de repouso relativo nos primeiros dias após a cirurgia. Isso significa evitar atividades físicas intensas, como exercícios vigorosos e levantamento de pesos, durante pelo menos 48 horas após o procedimento.

Quanto ao repouso em si, a maioria dos homens pode retomar suas atividades cotidianas leves dentro de 1 a 2 dias após a cirurgia. No entanto, é importante evitar esforços excessivos e atividades que possam causar desconforto na região genital durante esse período inicial de recuperação.

Em relação ao trabalho, muitos homens conseguem retornar às suas atividades laborais habituais dentro de poucos dias após a vasectomia. No entanto, isso pode variar dependendo do tipo de trabalho realizado e das recomendações específicas do médico. Trabalhos que envolvem atividades físicas intensas ou que requerem longos períodos de estar em pé podem exigir um período de afastamento um pouco mais prolongado.

Em relação a trabalhar sentado, na maioria dos casos, isso é perfeitamente possível e seguro após a vasectomia. No entanto, é importante garantir que o ambiente de trabalho seja confortável e que não haja pressão excessiva na região genital, o que poderia causar desconforto ou complicações no processo de cicatrização.

Em resumo, o período de repouso necessário após a vasectomia é relativamente curto, mas é essencial seguir as orientações médicas e evitar esforços excessivos durante a recuperação. Quanto ao retorno ao trabalho, isso pode variar de acordo com as circunstâncias individuais de cada paciente e as exigências específicas de seu emprego. Sempre consulte seu médico para obter orientações personalizadas e precisas sobre o período de recuperação e as restrições de atividades após a cirurgia.

Quanto tempo depois da vasectomia eu posso voltar a namorar com relações?

Após a vasectomia, muitos homens têm dúvidas sobre quando é seguro retomar as relações sexuais sem o uso de métodos contraceptivos. Embora a maioria dos médicos recomende aguardar um período de tempo para garantir que o procedimento seja eficaz, não há um consenso absoluto sobre o tempo ideal de espera.

Em geral, a maioria dos especialistas sugere esperar pelo menos uma semana após a cirurgia antes de retomar as atividades sexuais. No entanto, é importante lembrar que a vasectomia não é imediatamente eficaz como método contraceptivo. Após o procedimento, ainda pode levar algum tempo para que todos os espermatozoides remanescentes sejam eliminados do sistema reprodutor masculino.

Por essa razão, é recomendável aguardar até que um exame de espermograma seja realizado para confirmar a eficácia da vasectomia. Esse exame é geralmente realizado após 20 a 30 ejaculações, o que pode levar algumas semanas. Somente após os resultados do espermograma confirmarem a ausência de espermatozoides no esperma, é considerado seguro praticar relações sexuais sem o uso de métodos contraceptivos adicionais.

Portanto, embora seja compreensível querer retomar a intimidade sexual o mais rápido possível após a vasectomia, é crucial seguir as recomendações médicas e esperar até que a eficácia do procedimento seja confirmada por meio do espermograma. Isso garante a máxima proteção contra uma possível gravidez indesejada e promove a tranquilidade e segurança do casal.

Mitos e verdades sobre o que acontece depois da vasectomia

É comum surgirem muitas dúvidas, medos e questionamentos após a realização da vasectomia. Vamos esclarecer alguns mitos e verdades sobre o que acontece nesse período pós-cirúrgico:

Mitos:

  1. A vasectomia afeta a libido ou a capacidade sexual: FALSO. A vasectomia não interfere na produção de hormônios masculinos nem na função sexual. A libido e a capacidade de ereção permanecem inalteradas após o procedimento.
  2. A vasectomia pode causar impotência sexual: FALSO. A vasectomia não causa impotência sexual. Trata-se apenas de um método contraceptivo que interrompe a passagem dos espermatozoides, sem afetar a função erétil.
  3. A vasectomia pode aumentar o risco de câncer de próstata: FALSO. Estudos científicos não encontraram evidências de que a vasectomia aumente o risco de desenvolvimento de câncer de próstata.

Verdades:

  1. É normal ocorrer inchaço e desconforto na região genital após a cirurgia: VERDADEIRO. É comum que o paciente sinta algum desconforto, inchaço e sensibilidade nos testículos nos primeiros dias após a vasectomia. Geralmente, isso melhora com repouso e aplicação de compressas de gelo.
  2. É necessário realizar um exame de espermograma para confirmar a eficácia da vasectomia: VERDADEIRO. Após a cirurgia, é importante aguardar algumas semanas e realizar um espermograma para garantir que não haja mais presença de espermatozoides no esperma. Somente após esse exame confirmar a esterilidade do paciente, é seguro praticar relações sexuais sem o uso de métodos contraceptivos adicionais.
  3. A vasectomia não é imediatamente eficaz como método contraceptivo: VERDADEIRO. Após a vasectomia, ainda pode levar algumas semanas ou meses para que todos os espermatozoides remanescentes sejam eliminados do sistema reprodutor masculino. Por isso, é importante continuar usando métodos contraceptivos adicionais até que a esterilidade seja confirmada por meio do espermograma.

Esses são apenas alguns mitos e verdades sobre o que acontece após a vasectomia. É importante conversar com o médico para esclarecer todas as dúvidas e receber orientações personalizadas sobre o processo de recuperação e cuidados pós-cirúrgicos.

Se acontecer a reversão da vasectomia, o homem pode ter dificuldade em engravidar?

Sim, é possível que ocorram dificuldades em engravidar após a reversão da vasectomia, dependendo de diversos fatores, incluindo o tempo decorrido entre a vasectomia e a reversão, bem como a técnica utilizada na cirurgia.

É importante destacar que o Sistema Único de Saúde (SUS) não realiza a reversão da vasectomia, e o custo desse procedimento em clínicas particulares pode ser bastante elevado.

Em relação às chances de sucesso da reversão, essas diminuem à medida que o tempo desde a vasectomia aumenta. Estatisticamente, a probabilidade de restabelecer a passagem dos espermatozoides pelo canal bloqueado pela vasectomia é de aproximadamente 90% até 5 anos após a vasectomia. Após 10 anos, essa probabilidade cai para cerca de 60% a 70%, e após 15 anos, para aproximadamente 50%.

Portanto, é importante considerar esses fatores ao tomar a decisão de realizar a reversão da vasectomia. É fundamental consultar um especialista para avaliar as opções disponíveis e receber orientações personalizadas com base na situação específica de cada paciente.

Podem ocorrer complicações depois da vasectomia?

Sim, é possível que ocorram algumas complicações após a vasectomia, embora sejam relativamente raras. As complicações mais comuns incluem:

  1. Pequeno sangramento: Em cerca de 1% a 2% dos casos, pode ocorrer um pequeno sangramento na área da incisão.
  2. Hematoma: Também em aproximadamente 1% a 2% dos casos, pode ocorrer a formação de um hematoma, que é o acúmulo de sangue no local da incisão.
  3. Infecção: Embora seja raro, existe o risco de desenvolver uma infecção na área da incisão após a cirurgia.
  4. Dor escrotal crônica: Em casos muito raros, alguns homens podem desenvolver dor crônica na região do escroto após a vasectomia. Essa dor persistente pode ser causada por uma variedade de fatores e geralmente requer acompanhamento médico para tratamento adequado.

É importante destacar que, embora essas complicações possam ocorrer, a maioria dos homens se recupera completamente da vasectomia sem problemas significativos. No entanto, é fundamental seguir todas as orientações médicas para minimizar o risco de complicações e garantir uma recuperação tranquila e bem-sucedida. Se surgirem sintomas preocupantes após a cirurgia, é importante entrar em contato com o médico responsável para avaliação e orientação adequadas.

Concluindo

Neste texto, abordamos diversos aspectos relacionados à vasectomia, desde o processo pré-operatório até as possíveis complicações pós-cirúrgicas. Esperamos que as informações fornecidas tenham sido úteis para esclarecer dúvidas e fornecer orientações sobre esse procedimento.

Se você gostou deste conteúdo ou tem alguma experiência para compartilhar, não hesite em deixar um comentário abaixo. Compartilhe este texto com amigos e familiares que possam se beneficiar dessas informações. Além disso, reaja usando as opções de emoticons disponíveis para nos informar sobre sua opinião.

Obrigado por nos acompanhar e estamos à disposição para fornecer mais conteúdos informativos e esclarecedores.

Acompanhe o Gênio! nas redes sociais para ficar por dentro de mais novidades incríveis: Facebook e Instagram

  • Descubra como ganhar R$ 500 em apenas 7 dias: o mapa definitivo para alcançar suas metas financeiras! Clique para descobrir

Vídeo novo no canal

Compartilhe esse Post
Seguir:
Anderson trabalha como Designer Gráfico há 22 anos e como produtor de conteúdo há 15 anos. Pai de 3 filhas lindas, nerd de carteirinha, assiste filmes, desenhos e séries todos os dias e ama o que faz!
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *